milho regadio
No passado dia 16 de novembro decorreu em santarém um encontro dedicado ao setor agrícola onde foram debatidos vários temas que afetam o setor.

Mercados agrícolas e conjuntura atual – Cereais foi uma das apresentações feitas pelo Gabinete de Planeamento, Políticas e Administração Geral (GPP). Numa perspetiva da produção mundial, o GPP avançou que as estimativas apontam para um aumento de 0,6% y/y na produção de trigo. No que respeita à produção de milho, estima-se uma diminuição em 2022/2023 na ordem dos 3,7% y/y.

De referir ainda que o índice de preços da FAO está em queda pelo sexto mês consecutivo, no caso dos cereais há “uma inversão de tendência de descida por incerteza sobre acordo Mar Negro, condições de seca na Argentina e Estado Unidos da América, que quase contrariam efeito das restantes commodities”.

Focando no mercado europeu, as projeções para 2022/2023 apontam para uma redução de áreas, com exceção do trigo e cevada.

Nota ainda para as importações nacionais, na apresentação do GPP é referido que “Portugal tem uma elevada dependência do mercado no abastecimento de matérias-primas, nomeadamente cereais para a alimentação animal e moagem. No caso do milho, a média de entradas no período 2018-2021 foi cerca de 2,1 mioTon/ano. Nos últimos quatro anos, cerca de 80% da quantidade importada teve origem em países terceiros dos quais, a Ucrânia representa um peso de 46%, seguida pelo Brasil com 41% da média anual de importações de países terceiros”.

A terminar, o GPP detalha ainda algumas das incertezas que acompanham este setor, tais como “manutenção de vias de acesso de mercadorias”, “ameaças de recessão económica que pressionam preços em baixa” e “situação climática”.

Veja aqui a apresentação.

Gestão da energia numa exploração agrícola

O engenheiro João Coimbra, responsável da Quinta da Cholda, fez uma apresentação sobre Gestão da energia numa exploração agrícola, na qual salientou que “o agricultor é hoje um gestor de energia” e mostrou o peso da eletricidade nas contas de cultura.

Revelando os vários aspetos em que energia é fundamental, o produtor de milho conclui que produzir 1ha daquele cereal exige 7.400 kWh/ano. O mesmo responsável revelou ainda que 40% da energia gasta na produção de milho é aplicada na água e, por isso, partilhou algumas ideias de como gerir os sistemas de rega. “O nosso sistema de rega deverá ser pensado como um helicóptero”, disse. Entre as várias soluções possíveis para poupar energia, o agricultor mostrou como utiliza painéis fotovoltaicos na sua exploração.

Veja aqui a apresentação.

Plano Estratégico da PAC 2023/2027

O GPP fez ainda uma apresentação sobre o Plano Estratégico da PAC 2023/2027. Neste momento, Eduardo Diniz, diretor-geral do GPP, destacou a importância da PAC para uma gestão ativa de todo o território baseada numa produção agrícola e florestal inovadora e sustentável. Já no que respeita aos princípios de organização, destaca-se que “o PEPAC é de âmbito nacional, mas a sua arquitetura incorpora as especificidades das regiões autónomas, designadamente na componente do Desenvolvimento Rural - 2.º pilar da PAC”.

Eduardo Diniz adiantou ainda que em 2023 haverá intervenções nomeadamente ao nível de novos apoios, novas regras para apoios com continuidade, novos valores dos pagamentos, novo modelo de gestão financeira das ajudas. O mesmo responsável explanou ainda como irá acontecer a redução de pagamentos diretos, como funcionarão os eco-regimes; abordou ainda o novo modelo de gestão financeira das ajudas. Tempo ainda para explanar o plano financeiro e articulação com o PDR2020.

Veja aqui a apresentação.