Portugal é historicamente um país dependente da importação de cereais.
Em 1989, os níveis de auto-aprovisionamento eram de 60 %, porém, a diminuição da produção e o aumento das necessidades conduziram a um valor actual particularmente baixo, a rondar os 23 %, o que constitui uma singularidade no contexto europeu e mundial, que coloca inclusivamente em causa a nossa soberania alimentar.
Ciente desta realidade o XXI Governo Constitucional aprovou no dia 26 de Julho de 2018 a Resolução de Conselho de Ministros 101/2018, que reconhece a importância para o nosso país da Estratégia Nacional para a Promoção da Produção de Cereais.

Decorridos cerca de 18 meses desde a publicação desta Resolução, as Direcções da ANPOC, da ANPROMIS e da AOP reuniram-se no passado dia 20 de Dezembro com a Senhora Ministra da Agricultura, Dr.ª Maria do Céu Albuquerque e com o Senhor Secretário de Estado da Agricultura e do Desenvolvimento Rural, Eng.º Nuno Russo para analisarem em conjunto este documento e fazerem um ponto da situação relativamente às medidas que ainda falta implementar.

Durante a reunião a Senhora Ministra da Agricultura teve ocasião de reiterar o total empenho do Governo na implementação desta Estratégia, afirmando que não se deve alterar o que está bem feito.

Recordamos que este documento é composto por dezassete medidas, entre as quais algumas que julgamos mais emblemáticas como são a criação da marca “Cereais de Portugal”; a constituição de uma Organização Interprofissional para os Cereais e a promoção da capacitação técnica das Organizações de Produtores de cereais, com vista a aumentar a transferência de conhecimento para os seus associados.